Mitos e verdades sobre carros flex

Mitos e verdades sobre carros flex

No Brasil, existem mais de 25 milhões de carros flex, o que representa cerca de 70% da frota leve. Isso mostra que a busca por um modelo que possa receber tipos diferentes de combustível é a grande preferência do motorista brasileiro.

Um carro flex é aquele que pode receber tanto gasolina como álcool para funcionar, armazenado em um único tanque e podendo misturar ambos, sem comprometer seu desempenho. Isso acontece por conta da injeção eletrônica e da sonda lambda, que consegue identificar o tipo de combustível inserido, coordenando sua queima da mistura com o ar no motor.

No entanto, muitos ainda possuem dúvidas sobre as tantas recomendações. Ele funciona no frio? Qual é o combustível para o primeiro abastecimento? Ele vicia? Tem desempenho menor? Chega de dúvidas, confira agora os mitos e verdades sobre carros flex e descubra como deixá-lo pronto para rodar sem complicações.

O primeiro abastecimento deve ser feito com gasolina?

Mito! Por ser projetado para ambos os combustíveis, ele pode ser abastecido com qualquer um deles. Todo veículo flex possui um software, que identifica a composição presente e determina a queima adequada para um bom funcionamento do motor.

É preciso rodar um pouco depois da troca do combustível

Verdade. Algumas montadoras recomendam que o motorista rode cerca de 5 quilômetros antes de desligar o veículo após a troca. Isso vai ajudar a central eletrônica do carro a identificar qual é o tipo de combustível a ser utilizado e fazer um novo ajuste para não perder desempenho.

Em casos de troca completa de combustível, os sensores demoram um pouco mais para ajustar do que com uma troca gradativa, o que costuma ocorrer com mais frequência. No entanto, o funcionamento do veículo é igual, independente se colocado álcool ou gasolina.

O motor pode viciar

Não exatamente. Isso só vai acontecer se a qualidade do combustível utilizada for inferior, pois ele pode corroer o dispositivo, que perderá sua precisão. Nesse caso, o sensor estará prejudicado, o que pode dificultar a identificação do tipo de combustível colocado.

Muitos mecânicos orientam fazer um rodízio entre álcool e gasolina para evitar a exposição prolongada dos poluentes de cada combustível, o que seria uma forma de evitar problemas. No entanto, a melhor forma é preferir postos de confiança para abastecer.

Motor flex tem desempenho menor

Verdade. Isso ocorre por conta da projeção do motor, que precisa funcionar em um nível intermediário para comportar os dois tipos de combustível. Quando o motor é feito para um único tipo de combustível, ele atende todas as características daquele tipo, e tem um desempenho de melhor qualidade.

Ele não funciona no frio

Mito. Essa afirmação se popularizou e faz com que muitos pensem que esse tipo de carro não é bom durante o inverno. O que pode acontecer é o motor apresentar uma falha na partida quando abastecido 100% com etanol, por conta das características desse combustível em temperaturas baixas.

Os novos modelos flex já possuem um dispositivo que elimina esse problema, pré-aquecendo o combustível para uma partida eficaz.

Optar por um veículo flex pode ser uma boa alternativa de economizar e aproveitar os preços de ambos os tipos de combustíveis. Fique ligado nas novidades do blog da Center Peças Fabbri e acompanhe nossas dicas!

Quer receber nossos conteúdos exclusivos? Preencha abaixo:



0 Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *